sábado, 19 de fevereiro de 2011

Amor!...

Doa-se um coração, esse órgão meu que precisa do corpo seu para funcionar e amar. Não preciso de você para viver, mas você precisa saber que eu ainda assim preciso de você para amar. A vida a gente leva só, amor não. Amor só pode até ser amor, mas, desculpa aí, não é mais o amor que eu quero. Não há amor só de um. Por que amar a sós se podemos ser nós? Quero trocar minha saudade pela felicidade, e não me importa a porta na qual terei que bater. Mas, por favor, não espere meu coração parar de funcionar para (me) levar. Vou doá-lo para nós dois, você doa o seu também e fica combinado assim. Infantil pedir? Você tinha que ver quando eu só sonhava, quando eu só planejava, quando eu só sabia ser só. E nem era por infantilidade era por imaturidade. Agora sim, sou infantil, sei dizer o que realmente sinto e querer agora e só para mim quem eu gosto de verdade. Me escuta, me olha, me leia, me toca, me beija, me ceia com vontade de querer sempre mais. Quero todo o delírio impuro que resulta do puro fascínio de corpos e vidas que se querem juntos. Esquece a fantasia, abandona a monotonia, aposenta o cavalo branco e vem do que jeito que você é que é esse o jeito que eu te quero. Não seremos sempre felizes, não vamos nos tornar um só, não podemos garantir que será eterno, aparecerá de vez em quando a vontade de fugir, vamos ter noites ardentes (manhãs e tardes também - é, sou insaciável), outras serão o dia da "dor de cabeça", e durante isso tudo algo indescritível entre nós nos fará continuar. Não será perfeito, mas será feito por nós e isso já basta. Eu quero ter um amor, não só dentro do meu coração, mas dentro da minha vida, ao meu lado, em cima, embaixo. Não cantarei música brega, não farei serenata, não haverá na mão alguma guloseima gostosa. Quero tudo muito simples. Um pedido. Uma resposta. A gente fazendo sentido. Eu que nunca fui pedido, eu que sempre fui perdido, ainda levo esse desejo, não mais contido.

Amor!...

Eu sei que você esta em algum lugar, seja ele longe ou perto, eu sei que a qualquer hora você vai me surpreender. Posso imaginar seu jeito, posso até sentir você tocando minhas mãos, eu sei que você existe e ninguém pode tirar isso de dentro da minha cabeça.
Eu vejo tantas pessoas de mãos dadas por ai, eu vejo tanto amor entre elas, mas eu sei que o meu AMOR vai ser o maior de todos, eu sei que tudo que espero vai ser ainda melhor, eu sei que você também pode me sentir, e talvez ainda mais do que eu, espera pelo dia em que finalmente descobriremos que o amor, o amor de verdade, é muito mais do que podemos imaginar

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Ternura!...

Ternura

Eu te peço perdão por te amar de repente
Embora o meu amor
seja uma velha canção nos teus ouvidos
Das horas que passei à sombra dos teus gestos
Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos
Das noites que vivi acalentando
Pela graça indizível
dos teus passos eternamente fugindo
Trago a doçura
dos que aceitam melancolicamente.
E posso te dizer
que o grande afeto que te deixo
Não traz o exaspero das lágrimas
nem a fascinação das promessas
Nem as misteriosas palavras
dos véus da alma...
É um sossego, uma unção,
um transbordamento de carícias
E só te pede que te repouses quieta,
muito quieta
E deixes que as mãos cálidas da noite
encontrem sem fatalidade
o olhar estático da aurora.

Vinícius de Moraes