sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Corações despedaçados!....

Vidas amarguradas
Corações despedaçados,
Saudades das doces madrugadas
Páginas viradas no nosso passado...

Sonhos perecidos
Caminhos sem direção,
Dois seres perdidos
Em busca de explicação...

Somos cinza da ilusão
Chamas que queimam sem piedade,
Protagonistas de uma grande paixão
Esperanças adormecidas no colo da realidade!

Moacir Silva Papacosta

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Voltar a acreditar!...

Hoje o meu coração chora,
chora de amor e por amor...
Hoje quero voltar a acreditar, recuperar a minha fé perdida
acreditar no amor, no mundo, nas pessoas, e na bondade
que há em cada Ser,
Voltar a acreditar em mim, naquilo que sou, no meu Eu mais intimo
Hoje tenho medo de não ter forças para sarar tanta dor..e poder voltar a Sentir
Hoje quero voltar a ver o reflexo da minha Alma brilhando no meu olhar,
recuperar a minha alegria de sentir a Vida pulsando dentro de mim, a minha paz
Essa paz que era a minha festa todos os dias, independentemente do que houvesse fora,
paz que era a minha motivaçao, uma fonte de amor, onde todos vinham beber..
Hoje sinto-me tão perdida, num mundo onde me sinto alheia
Uma extra-terrestre fora do seu planeta, sem teto, sem chao..
Pregunto-me em que parte do caminho me perdí,
em que momento todo o meu Ser foi atingido por toda esta tormenta, desvastando tudo ao seu paso..
deixando uma profunda tristeza, em que momento o meu coraçao se perdeo
num inmenso vazio e obscuridão, onde só há lugar para Solidão,
vazío que me estremece e me arrepía,
que me paraliza e me aterra...
Procuro em cada recanto de mim um raio de Luz, que me ajude a sair,
que os meus olhos voltem a olhar cheios de Amor
que meus ouvidos escutem, a voz calma e serena que vem de dentro
Que a minha mente se acalme e se cale para ouvir o meu Espiritu
Procuro o amor perdido e no que quero Acreditar que está por vir
Todo o meu ser pede a gritos voltar a Acreditar..
Procuro o caminho de volta para mim mesma..
Preciso voltar a Acreditar....

Marysol Camacho

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

O Pudim!...

Não há nada que me deixe mais frustrada do que pedir Pudim de sobremesa, contar os minutos até ele chegar e aí ver o garçom colocar na minha frente um pedacinho minúsculo do meu pudim preferido. Um só. Quanto mais sofisticado o restaurante, menor a porção da sobremesa.
Aí a vontade que dá é de passar numa loja de conveniência, comprar um pudim bem cremoso e saborear em casa com direito a
repetir quantas vezes a gente quiser, sem pensar em calorias, boas maneiras ou moderação.


O PUDIM é só um exemplo do que tem sido nosso cotidiano. A vida anda cheia de meias porções, de prazeres meia-boca, de aventuras pela metade. A gente sai pra jantar, mas come pouco. Vai à festa de casamento, mas resiste aos bombons. Conquista a chamada liberdade sexual, mas tem que fingir que é difícil (a imensa maioria das mulheres continua com pavor de ser rotulada de 'fácil'). Adora tomar um banho demorado, mas se contém pra não desperdiçar os recursos do planeta. Quer beijar aquele cara 20 anos mais novo, mas tem medo de fazer papel ridículo. Tem vontade de ficar em casa vendo um DVD, esparramada no sofá, mas se obriga a ir malhar. E por aí vai. Tantos deveres, tanta preocupação em 'acertar', tanto empenho em passar na vida sem pegar recuperação... Aí a vida vai ficando sem tempero, politicamente correta e existencialmente sem-graça, enquanto a gente vai ficando melancolicamente sem tesão... Às vezes dá vontade de fazer tudo 'errado'.Deixar de lado a régua, o compasso, a bússola, a balança e os 10 mandamentos. Ser ridícula, inadequada, incoerente e não estar nem aí pro que dizem e o que pensam a nosso respeito. Recusar prazeres incompletos e meias porções. Até Santo Agostinho, que foi santo, uma vez se rebelou e disse uma frase mais ou menos assim: 'Deus, dai-me continência e castidade, mas não agora'... Nós, que não aspiramos à santidade e estamos aqui de passagem, podemos (devemos?) desejar vários pedaços de pudim, bombons de muitos sabores, vários beijos bem dados, a água batendo sem pressa no corpo, o coração saciado. Um dia a gente cria juízo.
Um dia. Não tem que ser agora. Por isso, garçom, por favor, me traga: um pudim inteiro um sofá pra eu ver 10 episódios do 'Law and Order', uma caixa de trufas bem macias e o Richard Gere, nu, embrulhado pra presente. OK? Não necessariamente nessa ordem. Depois a gente vê como é que faz pra consertar o estrago . "


Autoria: Martha Medeiros
-

sábado, 3 de setembro de 2011

Espera!...


O primeiro encontro!
O coração ferve, se acelera...
ela se atrasa, perderemos o
teatro!
Mas isso importa?
Depois de tanto tempo,
tantas brigas, tantas promessas,
eis que chega o dia tão aguardado,
sonhado, desejado, chorado...
Sim, hoje ela virá!
Finalmente depois de anos
de espera, ela veio!
Preciso que algupem me belisque,
não acredito ainda que seja verdade,
mas é! Eu a vi mais cedo, na sua chegada!
Ahhh...depois de tantos planos,
ligações, emails, torpedos na calada da noite,
enfim chega o grande dia.
To me sentindo um garotinho,
mias pernas tremem diante
do sentir colada em mim,
meu amor.
Juntinha, agarradinha em mim.
Não tá frio, mas é o calor do amor,
dessa paixão que nos carrega a tanto tempo
e que hoje temos a chance de enfim
consumá-la!
Chega o dia...
que encerra de vez essa espera cruel, lancinante.
Mas, daqui para a frente será somente a espera,
até que ela simplesmente saia do banho,
nua em pelo,
e se atire sobre mim,
para me dar o amor
que nunca tive na vida.

(Carlos Almo - 04 de setembro de 2011)